De Cruzeiro do Oeste para o mundo.

Querido professor João da Luz – por Edeliar Torres Saraiva

Ele já se foi, porém, isso não é motivo para que eu não me lembre de seus ensinamentos.

Começo dizendo que o jovem, de uma maneira geral, é muito cheio de si, muito dono da verdade. Tem solução para tudo, mas na maioria das vezes, não coloca nada em prática. Digo isso por experiência própria.

Comigo, no tempo de juventude, não foi diferente. Dois mais dois? Quatro. Bonito ou feio? Feio! Bonita ou feia? Feia! Sempre tinha resposta para tudo.

Eis que numa aula de O.S.P.B., no 3° ano do Ensino Médio, no Colégio Anchieta, o professor João da Luz me deu uma aula de relatividade, aula da qual nunca mais me esqueci.

Foi uma aula que “derrubou” as minhas convicções e me mostrou como tudo depende do foco que está em questão.

Lembro-me de que ele disse: “Edeliar, você se considera uma pessoa alta ou baixa?” Eu, com 17 anos, 1 metro e setenta, prontamente respondi: “Eu sou alta.”

Ele disse: “Isso é uma verdade se você se comparar com a altura da Lucelena, ela é menor que você. No entanto, se você se comparar com o Luís, verá que é baixinha. Ele mede no mínimo 1 metro e noventa. Viu? Não existe pessoa alta nem pessoa baixa. Depende com quem ela está sendo comparada. Em suma, Edeliar, tudo é relativo”.

Nunca mais esqueci. Esse ensinamento acompanhou minha vida.

Talvez, leitor, você ache uma bobagem o que estou dizendo. Porém, para uma jovem, com 17 anos, cheia de verdades prontas, foi extremamente significativo.

João da Luz foi um professor que marcou a vida de duas gerações pelo seu jeito instigador e pelo seu jeito franco. Não ensinava para que o aluno repetisse o que ele dizia ou o que estava no livro didático. Ele ensinava para que o aluno refletisse sobre o que explicava, e baseado em argumentação convincente, também fosse capaz de tirar suas conclusões.
Você se foi, João, mas ficou! Ficou no coração dos alunos que tiveram a honra de ter você como professor.
Eu tive essa honra!

Com você, aprendi que não existe bonito nem feio. Não existe pobre nem rico! Não existe inteligente nem alguém com pouca inteligência. Tudo depende. Tudo é relativo. Não existe verdade absoluta. ❤️❤️❤️