De Cruzeiro do Oeste para o mundo.

A Importância da Filosofia na Educação – por Douglas Philip de Souza Castro

      Você sabia que durante a Ditadura Militar (1964 – 1985), a Filosofia foi banida das Escolas de Educação Básica e que nas Escolas Particulares ela era ensinada com outro nome – e seu ensino proibido? Mas por qual motivo você pode estar se perguntando.

      Entretanto, antes de responder a essa pergunta, é preciso que se faça outra: o que significa a palavra filosofia? A palavra filosofia é formada de outras duas palavras de origem grega: Filos (amor, amigo) e Sofia(sabedoria). O filósofo/filósofa seria então aquele indivíduo que busca, aspira e deseja o conhecimento, e que procura respostas menos óbvias aos grandes dilemas do dia a dia. É a partir dessa perspectiva que podemos perceber a grandiosa importância da Filosofia na Educação.

      A Filosofia oferece uma forma de reflexão crítica, metódica e profunda que permite ir mais longe ou ao núcleo da compreensão dos problemas e das questões mais complexas da vida. Pensar na educação, tendo como pano de fundo a Filosofia, significa pensar em uma educação que ofereça aos seus estudantes autonomia no pensar, formas de aplicações práticas socialmente significativas, contribuição no desenvolvimento das habilidades de raciocínio, uma reflexão que não esteja carregada de um caráter utilitarista e assim por diante.

       O filósofo norte-americano Mattew Lipman (1922 – 2010) acreditava que a Filosofia era instrumento para fazer com que os jovens e as crianças pensassem e raciocinassem sobre aquilo que estava sendo ensinado. Essa proposta é necessária e desejada por todos, mas é preciso que a eficácia da Filosofia seja reconhecida. E o contato que os estudantes farão com a disciplina, poderá propiciar que se expressem com maior clareza, leiam e escrevam melhor, além de apresentarem um desempenho aprimorado nas demais matérias, desenvolvendo habilidades que os façam pensar de forma profunda, autônoma, lógica e criativa.

      Um dos vários motivos do banimento da Filosofia e da proibição de seu ensino durante a Ditadura Militar, está justamente no fato de que essa disciplina levaria uma “massa” de jovens a pensar, questionar e criticar e isso seria um perigo para os objetivos dos ditadores. A Filosofia só voltou a se tornar matéria obrigatória no Ensino Médio em junho de 2008, mais de 40 anos depois, mostrando assim, a sua indubitável importância na construção do ser e do saber.

Douglas Philip de Souza Castro
Licenciado em Filosofia pelo Centro Universitário Assunção (UNIFAI). É Coordenador de Pastoral do Colégio Franciscano Nossa Senhora Aparecida em São Paulo e realizador de palestras motivacionais em Instituições Educacionais. Atualmente reside em Cafelândia.